Vale dos Reis

O Vale dos Reis é indubitavelmente um dos sites arqueológicos mais importantes do mundo. Arqueólogos vêm explorando a área há cerca de 200 anos, e durante esse período eles descobriram 65 tumbas, sendo a mais recente descoberta em 2008. O vale é em sua essência um grande cemitério que foi utilizado pelos faraós do Egito por 500 anos.

Sendo uma nécropole real, a área era reservada para o enterro dos faraós do Novo Reino, assim como rainhas, e alguns nobres. Entretanto, nem todas as tumbas eram na verdade usadas para propósitos de enterro. Com isso, muitas permaneceram vazias.

O Vale dos Reis visto do topo da montanha

O Vale dos Reis visto do topo da montanha

O Vale dos Reis é uma das grandes atrações turísticas do Egito e cerca de 5 mil visitantes passam por lá por dia. Na épóca de alta temporada dos cruzeiros, o número de turistas pode facilmente chegar a 9 mil. É sem sombra de dúvidas um dos lugares mais fascinantes do Egito.

Um pouco de história

Uma das primeiras perguntas como um bom curioso que você é deve se fazer é: por que o Vale dos Reis? Afinal, os faraós não eram enterrados em pirâmides? Pois então, as pirâmides e o Vale dos Reis pertencem a épocas distintas do Egito Antigo. No caso das pirâmides, elas foram construídas durante o Império Antigo, por volta de 2500 a.C, enquanto que o Vale dos Reis começou  a ser explorado 1000 anos após, já no Império Novo. Muitas pirâmides foram sendo construídas, sendo as Pirâmides de Gizé as mais famosas, entretanto, com o tempo, elas foram caindo em desuso, até que o faraó Tutmóses I foi o primeiro a ter sua tumba no Vale dos Reis. O motivo pelo qual esse local foi escolhido ainda não é totalmente confirmado, mas acredita-se que Tutmóses I escolheu-o para ser sua necrópole pela proximidade com o morro al-Qurn, que lembra a forma de uma pirâmide e que acreditava-se ser sagrado para as deusas Hathor e Meretseger. Além disso, por ser um vale isolado, poderia ser mais seguro e facilitar o trabalho dos guardas contra possíveis ladrões de tumbas. Infelizmente não é o que aconteceu ao longo dos séculos.

Apesar da exploração da área do Vale dos Reis ter começado a cerca de 200 anos atrás e da descoberta de 65 tumbas ao longo desse período, apenas onze delas foram registradas. As tumbas descobertas são classificadas como secundárias ou relevantes. Tumbas secundárias geralmente não possuem nada de interessante. Até mesmo muitas das tumbas relevantes revelaram pouca coisa, e foram saqueadas com frequência até serem totalmente esvaziadas. Napoleão, no século XVIII, foi um dos que mostraram grande interesse na área, e comissionou um mapa detalhado do vale, que viria a ser importante nos anos que se seguiriam.

Em 1907, exploradores encontraram uma tumba a qual acreditavam ser do rei Tutancâmon, mas depois dessa descoberta, nenhuma outra tumba foi encontrada, e em 1912 muitas pessoas acreditavam que o Vale dos Reis já tivesse sido totalmente explorado. Mesmo assim, Lord Carnavon, um rico explorador britânico, foi bem-sucedido em obter permissão para continuar escavando o vale. Para tal, ele contratou um arqueólogo chamado Howard Carter.

Howard Carter descobriu uma série de tumbas nos anos que se seguiram, e em 1922 ele entrou para a história quando anunciou que tinha encontrado a tumba do rei Tutancâmon. A câmara principal, que guardava o corpo do rei, tratava-se de uma câmara escondida e foi aberta somente em 16 de fevereiro de 1923.

A Tumba de Tutancâmon

Na tumba de Tutancâmon foram encontrados cerca de 5 mill objetos! Impressionante, não? O mais famoso é a máscura mortuária de ouro, que atualmente está no Museu Egípcio do Cairo. Se pensarmos e pesquisarmos a história do Egito Antigo, Tutancâmon nem ao menos foi um dos faraós mais importantes; ele morreu ainda muito novo, com 18 ou 19 anos, e várias são as hipóteses da sua morte, como problemas de sangue (causados pelo nível elevado de casamentos entre parentes), malária, possível assassinato, sendo um acidente de carro a mais recente e plausível.

Se comparada com as tumbas de outros faraós, como o importante Seth, a tumba de Tutancâmon é bem modesta. Ela possui apenas quatro câmaras, e no lugar de várias inscrições em colunas do Livro dos Mortos e gravuras, suas paredes foram decoradas de forma muito mais simples e uma parte parece ter ficado inacabada. Alguns arqueólogos sugerem que houve pressa no término da obra, seja por motivos políticos, religiosos, ou o que quer que fosse. Ainda assim, a descoberta de sua tumba intacta o presentou com muito mais reconhecimento do que ele teve em vida. Nenhuma outra tumba foi capaz de dar à arqueologia o que a de Tutancâmon proporcionou. Entretanto, estudos ainda continuam para entender por que suas pinturas são tão distintas das outras tumbas.

As múmias desaparecidas

É curioso pensar que nenhuma múmia foi encontrada em quase todas as tumbas descobertas pertencentes a faraós. Muitas ainda tinham tesouros e uma porção singela de antiguidades, mas os corpos dos faraós já haviam sido há muito tempo removidos por ordem de sacerdotes para poupá-los de roubos. Os reis Amenhotep II e Tutancâmon foram os únicos faraós encontrados em seus locais de repouso.

Entretanto, exploradores descobriram múmias de algunas faraós colocadas juntas em dois locais diferentes. Muitos arqueólogos acreditam que possivelmente deve haver um terceiro lugar ainda a ser descoberto.Infelizmente, todas as tumbas descobertas até agora foram saqueadas em algum momento por ladrões. Estudos apontam que a maioria desses roubos foi executada até o final da dinastia XX, apesar das entradas serem bem escondidas e secretas.  O escritor grego Diodorus Siculus visitou o local por volta de 60 b.C e relatou não ter encontrado nada além de pilhas de destruição.

Ainda assim, há sempre a esperança de que algumas tumbas estejam tão bem escondidas que nunca ninguém as encontrou – como possivelmente foi o caso da tumba do rei Tutancâmon; aparentemente, saqueadores de uma tumba ao lado foram jogando as pedras na entrada da tumba de Tut, o que fez com que ela ficasse ainda mais escondida. Essa é uma pergunta que apenas o tempo pode responder, e de repente demore muitos outros séculos e dependa de tecnologias que ainda não disponibilizamos.

Margem Leste vs. Margem Oeste

A maioria das tumbas está localizada no lado oeste do Nilo, então é geralmente para onde a maioria dos turistas vai primeiro. A margem Leste possui apenas duas tumbas de revelância, e por isso tem menos visitantes. E também, enquanto que na margem oeste há 10 ou mais tumbas abertas à visitação, do outro lado apenas uma está aberta, o que não diminui a importância da margem leste, já que nela encontramos os Templos de Luxor e Karnak, por exemplo, e o Templo de Mut ao norte de Karnak.

Visitando a necrópole

O Vale dos Reis está aberto ao público todos os dias, porém é importante lembrar que mesmo que muitas tumbas estejam abertas à visitação, apenas um número limitado está aberto a todo momento. Isso porque além das perdas causadas pelos saqueamentos, as tumbas também têm sofrido a ação de do crescente número de turistas por conta do dióxido de carbono e humidade; 2.8g de suor é deixada por cada visitante, o que afeta as pinturas. Para tal, o Departamento de Antiguidades instalou desumidificadores e janelas de vidro nas tumbas mais afetadas, além do sistema de rotação já mencionado.

Além disso, um ingresso extra é necessário para entrar na tumba do rei Tutancâmon e também para entrar na tumba do outro lado do rio.

Os nossos pacotes de turismo para Luxor e Cruzeiros pelo Nilo incluem visitação ao Vale dos Reis e muitas outras atrações dos pacotes para o Egito. De qualquer forma, se você está vindo para o Egito, o Vale dos Reis é sem dúvidas uma das atrações mais importantes, não só na nossa humilde opinião, mas ele também foi listado em 1979 pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade.

Top 9 pacotes para o Egito